terça-feira, setembro 26, 2006

abrigo

abrigue-me em teu silêncio
é nele que quero estar
e já não precisarei do mundo

guarda-me em tua calma
conforta-me em teu peito
aloja-me em teu repouso

o amor não precisa de muito

7 comentários:

roberta disse...

Dede',ao ler esse poema lindo lindo me lembrei de duas coisas que me trouxeram lagrimas aos olhos.
Uma foi uma cena de um filme.Ele pergunta pra ela "Voce me ama?" e ele responde "Te amo"..e ela diz então "ENTAO EU JA' TENHO TUDO QUE PRECISO"....
E a outra foi qd a Maria (A) me disse dos problemas que ela enfrenta na relação dela mas que na hora que a porta do quarto se fecha e ela se deita no peito do companheiro dela ...nada descreveria a segurança que ela sente.Disse que o peito dele foi moldado pra receber a cabeça dela..e isso me comoveu enormemente.Não sei se porque ela descreveu bem ou pq eu imaginei tão bem.
Mas me marcou,e,assim como seu poema,descreve bem o que e' a gente sentir se pertencente não so' a nos mesmos,mas aos nossos sentimentos e a de quem deles tbm vive.

Frederico disse...

Dia desses escrevi no imBLOGlio espinafrando as letras do novo disco do Skank. // Imaginei que esse poema poderia ser musicado. Denise teria sucesso bem maior que muito letrista que anda por aí.

Denise Sollami disse...

nossa, Fred, obrigada!

Claudio disse...

Denise,
quieta, no seu encanto...
Parabens
Um abraco
Claudio

strix disse...

O amor é tudo.
Muito, no amor, não existe.

Obscenum disse...

Você também!? Achei excelente. Agora me sinto menos só. P.S.: Desculpe-me pela ausência. Muito atarefado. Mas sempre que dá venho.

Tê disse...

Lindo Dê....lindo, lindo..que mais posso dizer diante disso? Apenas isso, lindo!