sábado, novembro 29, 2008

o gato do cachorro

Singrei o Aterro do Flamengo hoje mais uma vez debaixo de chuva. Só pode ser essa insistência úmida a me melar o humor, a me deixar nessa zona grísea de indigestão espiritual. Mais uma vez acordo com o sol à espreita e vou me deitar sob um chuvisco insistente. Que saco! Essas coisas têm um efeito deletério sobre a gente. Por exemplo: nunca mais vi aquele deus grego, aquele que corre na pista do aterro com seu cachorro todo dia por volta das nove e quinze da manhã, um corpo esculpido em tudo e por tudo à semelhança do Criador. Que maravilha da natureza - e que natureza! Um impávido colosso. Pois desde que chove desse jeito a criatura sumiu. Ele e seu cachorro abandonaram o exercício matinal e deixaram minhas retinas viúvas daquela visão do paraíso. Pergunto aos quatro ventos: cadê o gato do cachorro? Cadê?


foto de Ernesto Martins

3 comentários:

neo-orkuteiro disse...

Denise, você me surpreendeu com todo esse bom humor. Vim ler porque achei intrigante o título, o que me esporeou a curiosidade. Nem me ocorreu na hora que se pudesse tratar de seu felino ... bípede. Se "gato" no título viesse assim, entre aspas, o entendimento teria sido instantâneo. Sabiamente você não quis pôr aspas no seu gato. Significativamente, aspas também é sinônimo de chifres. Valeu ter vindo e lido o post, comentários inclusive. Divertidíssimo, se me permite um superlativo absoluto sintético. A Denise humorista está mesmo de parabéns.

Adelino disse...

Denise, já pensou na hipótse do seu gato ser uma gata? Sei lá, com o efeito estufa, aquecimento global etc. tudo é possível.
Um grande abraço.

Denise Sollami disse...

Adelino, garanto que é um gato macho mesmo.