segunda-feira, outubro 23, 2006

vênus

Sobreveio a hora da estrela
quando nasce Vênus
quando parece mágico o lusco-fusco
pulsam alertas as primeiras luzes da cidade
logo escurece a montanha adiante.

Então lembrei que me chamaram “moça”
num anoitecer exatamente como este
entre tantos prédios e pessoas e carros
me virei assustada
e era você.

Você.

13 comentários:

Frederico disse...

hummmmm... Denise S. parece apaixonada. Faz bem.

Erika Evanttini disse...

Adorei teu blog! Vc escreve muitíssimo bem! Um abraço. Erika

Denise Sollami disse...

Fred, estou permanentemente apaixonada.
Erika, muito obrigada.

Frederico disse...

Já terá lido, a Erika, sobre a moça de voz metálica? se ler, pedirá - com razão! - autógrafo para Sollami.

strix, o joelheiro disse...

Strix

eduardo lima disse...

Moça,

Quer casar comigo?

"A noite pinga uma estrela no meu olho e passa." P. Leminski

Denise Sollami disse...

Eduardo, casar contigo não posso, mas posso, porém, compartilhar (e compartilho) o gosto pelo poeta. Adoro Leminski e o seu "Distraídos Venceremos" é um dos meus livros de poesia prediletos.
Obrigada pela visita, venha sempre que quiser.

Ricardo Rayol disse...

Muito legal... mas essa é a primeira vez que vejo alguem pedir em casamento por comentarios...

Adelino disse...

Denise, você não respondeu. No seu penúltimo post você colocou uma definição de Amor. Removeu por quê? Estava simples e muito bonito.
---------------------------
do Lat. amore

s. m.,
viva afeição que nos impele para o objecto dos nossos desejos;
inclinação da alma e do coração;
objecto da nossa afeição;
paixão;
afecto;
inclinação exclusiva;
----------------------------

Fernando Julião disse...

ótimo texto... adoro esse estilo.
Qdo der, visite-me

Frederico disse...

Também estou com a mesma pulga do Adelino. Mas já que a Denise não respondeu não seria eu a insistir. Não quer falar disso, sabe-se lá o motivo. Que seja; pois, para mim, Denise S. está sempre certa. ;-)

Denise Sollami disse...

Adelino e Frederico, vou tirar-lher a pulga atrás das respectivas orelhas: eu escrevi este texto do Tio Zezé no dia de seu falecimento, 14 de outubro. Alguns familiares meus ficaram sabendo dele e vieram acessar o blog; como não conhecem muito esta coisa de blogs, percebi que poderiam ter alguma dificuldade de encontrá-lo e aí tirei tudo o que vinha depois dele - ou acima. Depois postei "venus" e esqueci completamente dos posts que havia tirado.
É isso.
Como dizem por aí, 'a fila anda".
um beijo em ambos,
D.

Fred, o latino disse...

É aquilo, eu sabia que não deveria ter insinuado a pergunta. Fui na onde do Adelino e pronto. Mas "tá bom, tá é bom", diria o outro.