domingo, outubro 01, 2006

Santa Teresinha


Hoje, 1° de outubro, é seu dia.

Viva Santa Teresinha do Menino Jesus, a santa da pequena via, padroeira dos missionários!
Burguesa e bonita, renunciou à sua vida de conforto e optou pela simplicidade da vida em reclusão.
Inteligente, dramaturga e poeta, formulou a doutrina da "Pequena Via", revolucionária, pela qual diz não ser preciso muito esforço para se estar próximo do Criador - Ele está em tudo, em toda criatura.
Moderna, percebeu que no Século XX a cada um competiria uma pequena parte para fazer esta grande máquina girar. Cada um que tomasse a sua, todas são necessárias.
Cômica, vivia rindo. Era pura alegria.
Ousada, foi a Roma pedir ao Papa para entrar no Carmelo com quinze anos. A permissão não lhe foi dada, mas ela entrou assim mesmo.
Santa Teresinha é muito próxima.
Viva Santa Teresinha!
p.s. já que falo de santos: gosto deles pela fé, pela santidade adquirida, pela capacidade de renúncia. Embora vez por outra eu seja alvo de algum sarcasmo por causa de minhas devoções ("você e seus santos"), ainda que muito raramente fale delas, estes mesmos sarcásticos vez por outra me pedem para orar por eles. Já observei que quem não tem fé gostaria de tê-la.

5 comentários:

roberta disse...

Não consigo entender (e por favor..aqueles que "entendem" não me venham tentar explicar..) aquela religião que não aceita os SANTOS...mas somente JESUS.

Eu acho mesmo que os Santos são divindades ate' mais próximas* de nos (espera eu molhar o bico??....) por eles NÃO SEREM JESUS....

Vieram ao mundo com as mesmíssimas condições que nos(físicas e espirituais),muitas vezes nem tão boas, ou melhores (como a linda estoria que eu ignorante,não conhecia da Sta Terezinha),mas que, através de suas atitudes
conseguiram ser "divinos" e dignos de estarem entre aqueles admirados e respeitados por nos...

* "proximas".....não melhores ou piores.

Adelino disse...

Denise, bonito o seu post sobre Santa Terezinha. Fez-me lembrar do tempo de criança quando as famílias disputavam amigavelmente o privilégio de sediarem em seus lares as novenas dedicadas àquela Santa. Durante nove dias reuniam-se familiares e vizinhos que respeitosamente rezavam o terço e cantavam louvores. Ao final, servia-se um cafezinho com bolos e doces. Para nós, crianças, era com tristeza que víamos chegar o último dia da novena, tristeza que durava pouco porque dias depois tudo recomeçaria em outra casa da vizinhança.
Um abraço "saudosista" do seu leitor

Adelino disse...

Denise, permita-me abusar do espaço dos "seus comentários" para contar um fato curioso, talvez uma coincidência, acontecido com uma de minhas irmãs mais velha.
Em nossa casa realizava-se uma novena de Santa Terezinha que, como se sabe adorava rosas. Um dia, minha irmã, saindo para o trabalho, passou defronte ao altar montado na sala principal. Ficou muito triste ao verificar que não havia sequer uma rosa emoldurando a imagem da santa. Mal abriu a porta, teve de voltar porque se esquecera de alguma coisa. Sua atenção foi voltada para uma belíssima rosa vermelha ainda molhada do orvalho da manhã, caída no chão aos pés do altar. Ela ficou de início assustada, já que não tinha ninguém em casa para colocar ali alguma coisa, e, mesmo se tivesse, ela teria visto. Ela interpretou isso como um milagre, oferecendo imediatamente aquele inesperado presente à Santa Terezinha.
Até hoje ela tem uma pétala daquela flor emoldurando o seu livro de orações.
Um abraço do seu leitor

Denise Sollami disse...

Que coisa, Adelino!
Certamente foi um sinal da presença de Teresinha que, como disse eu, e digo por experiência própria, é muito próxima.
Dizem alguns que não há acaso, mas providência divina, e eu acredito nisto. E acredito tb que a Santa deve olhar por todos da sua família.
Quem sabe este post não é um sinal pra vc, que relembrou essas passagens de seu passado? Nunca se sabe...

Adelino disse...

É isso, Denise, eu andei escrevendo Teresinha (com Z). É com S mesmo. Outro dia entrei numa Igreja de Santa Teresinha para pedir uma informação, e quando me aproximei do Padre ele, que nem me conhecia, e sem que eu dissesse nada, me benzeu contritamente. Eu agredeci e fui embora... A informação devia ser aquela, quem sabe, não é?
Um abraço do leitor