domingo, fevereiro 13, 2011

sob o signo de aquário (e quase peixes)

Deixei o post abaixo quieto um tempão e não quis postar de propósito. Não que me preocupe muito o fato de não postar e parecer desleixo com a meia dúzia de dois ou três que dão com os costados neste espaço-de-coisa-alguma - meia dúzia por quem tenho todo o respeito, bem entendido - mas é que pensar na quintessência do poder é pensar na solidão, e pensar na solidão, sobretudo na solidão acompanhada, toma tempo demais. O calor também não ajuda, e o inglês (suspeito tenha sido um inglês) que inventou a expressão "calor senegalesco" certamente não conhecia o do Rio de Janeiro. Por falar em inglês, o filme do verão, para mim, é "O Discurso do Rei", menos pelo filme em si, mais pelas atuações de todos os atores, mas sobretudo pelo carinho da rainha por seu frágil marido.  É bonita a amizade dos dois, a ternura que os une, a confiança que mutuamente têm (é curioso pensar que a Rainha Elizabeth, aparentemente tão estóica, descende de alguém tão sensível).  O primeiro trimestre de 2011 também trouxe ao poder novas caras - no Brasil, uma mulher eleita, no Egito, o povo que defenestrou o ditador - e é só o primeiro trimestre.  Um verão, um filme inglês, novos ares no poder: Aquário e Peixes em 2011. 

a foto é minha, a estrada o retrovisor

7 comentários:

Isabel disse...

Querida belo texto, esta é a minha segunda tentativa, apagaram o que escrevi com tanto cuidado, mas o calor é mesmo "carioquissimo", e vamos ver o que nos espera nos próximos trimestres, com uma sacudida no Chile para acordar os distraídos e os ingleses para nos lembrar que ainda existem coisas belas e ternas.
Um beijo
Isabel

Tiago Cruz disse...

Denise,
como diz um amigo, lá no Senegal quando está calor (redundância) eles dizem que está fazendo um calor Valadarense!
Quanto ao "Discurso", ainda não vi. Mas, confiando em seu bom gosto, já agendei.
Quanto ao Egito, sei não...
Abs,
Tiago.

Renata Fern disse...

Pois é, acho que ninguém esperava um início de ano tão conturbado. Aqui pelas minhas bandas ainda teve a 'tragédia da chuva', uma lástima total. Fico pensando na dificuldade que é recomeçar a vida, se começar já é um aperto, enfim... Valeu pela dica do filme. E quanto à solidão, acho que é a sina de todos nós escapar dela. :)

Denise S. disse...

queridos, não percam o filme e obrigada pelos comentários!

João Calros disse...

E depois do Egito, o Barhein, a Líbia. Lá o ditatador é o mesmo dos meus tempos de faculdade e eu já estou próximo da aposentadoria. E aqui o Sarney, o mesmo desde ...`
Por falar em aquários e peixes, depois de algum tempo voltei a o teatro: Hair me surpreendeu pela beleza da execução e a qualidade dos atores.
É verdade, tudo nesse início de ano e nem carnaval tivemos ainda.

Denise S. disse...

João Carlos, folgo em saber que vc faz teatro. Às vezes me perguntam se faço teatro, ou se já fiz, pu se fiz na adolescência e até uma vez me perguntaram se era atriz (?), ao que respondi que não deixo de ser, já que sou advogada (!). O fato é que fazer teatro é muito legal.
Quanto a Hair, achei marromeno e vc me deu uma deixa de post.

João Carlos disse...

Denise, como é que vc sabe que fiz teatro? Já faz tanto tempo...