sábado, junho 12, 2010

o amor é um mistério

A mídia dedicou ao amor a semana que antecedeu o dia dos namorados, programas e artigos sobre estudos recentes em paixão e romance, enquetes sobre expectativas dos homens e mulheres em relação a relacionamentos e etc.  A neurobiologia descobriu que a atração é informada não por subjetividades, mas por cheiros que escapam ao olfato perceptível, cheiros que denunciam se o sistema imunológico do outro é complementar ao seu próprio para garantir uma prole forte.  Visto assim, o fenômeno da atração parece fácil.  Mulheres estrogênicas procurariam por homens testosterônicos. Não consegui assistir aos programas todos, vi parte de um na quinta-feira e  a um terço de outro ontem.  É natural a curiosidade da ciência sobre o assunto, não conheço quem não questione o amor romântico e quem não queira viver em estado de paixão. Não ouvi os cientistas dizerem, mas ousei supor um dia que o amor tivesse a ver com o desejo primário da reprodução e com a evidência de que duas pessoas juntas serão sempre mais eficientes em se proteger mutuamente na vida que, ainda hoje - e talvez mais ainda hoje - é uma verdadeira selva.  Supus, supus...  Minhas conversas com Cupido desde a adolescência nunca foram muito reveladoras, mas a de ontem, surpreendentemente, foi: não há qualquer razão palpável. O que explicaria, por exemplo, duas pessoas completamente diferentes se apaixonarem e, em alguns casos, permanecerem juntas anos a fio? É comum irmãos com temperamentos completamente opostos porque um puxou ao pai e outro, a mãe.  Culturas distantes, origens diversas, diferenças de idade, os mais variados abismos os apaixonados superam por uma ponte chamada amor.  A mim não parece razoável a explicação de feronômios para quem se conhece na virtualidade, e eu sei de um caso desses com final feliz, tampouco para aqueles que não mais estão em idade reprodutiva.  Perguntei a Cupido ontem se seriam as flechas atiradas ao acaso ou se ele recebia alguma instrução superior antes de as desferir.  "Porque você quer saber, afinal, porque todos querem saber? Aceitem o mistério", respondeu. Concordo.  Aos apaixonados, aos que querem se apaixonar, aos que já se apaixonaram, aos que sofrem por amor e aos que se regozijam com ele, a todos, meus votos de um feliz dia desse mistério que se chama amor.  

ilustração capturada na Internet, Cupido e Psique in love (também ele!), ela numa atitude de total entrega.  Curioso, não existe "dia dos casados".

5 comentários:

cariocadorio disse...

O mistério é o que mantem a chama acesa. Essa de tentar explicar é uma grnade bobagem. Que existam as razões científicas mas que fiquem bem guardadas e fora do alcance do homem.

Denise S. disse...

Isso mesmo, Carioca. Ao mistério, o mistério.

Anônimo disse...

Lindo, DS, inspirada ao pensar, articulada ao escrever...
Bjs, KC

Vládia disse...

De, não há dia dos casados porque supostamente somos eternos namorados... Bjocas. Vládia

Denise S. disse...

Eternos namorados? Mas não seria o estado "casado" um estágio a mais de "namorados"? Tipo, um "upgrade"? É curioso, porque a comemoração deixa de ser coletiva e passa a ser solitária.